19  3251.3297

Localização



 

Coluna Sem Dor
Avenida Doutor Luís de Tella, 1615
Cidade Universitária II

Campinas - São Paulo CEP: 13083-000 - Brasil
(19) 3251-3297
 

 

 

ESTATÍSTICAS COMPARATIVAS NOS TRATAMENTOS DE LOMBOCIATALGIA POR HÉRNIA DISCAL
Autor: FRANÇOIS RICARD D.O. MRO


INTRODUÇÃO

Os tratamentos de lombociatalgia por hérniaa discal são numerosos: nosso propósito é comparar estes tratamentos com o tratamento osteopático.

 

RESULTADOS DO TRATAMENTO MÉDICO

O tratamento médico inclui durante uns dez dias: • repouso estrito • várias classes de medicamentos em ausência de conta-indicação:

Þ antiinflamatórios não esteróides (voltaren,...) 100 a 150 mg/dia

Þ miorelaxantes (trancopal, decontráctil, miolastan,...) 10 a 20 mg/dia

Þ analgésicos (codeína) 30 a 60 mg/dia

 

Em caso de fracasso deste tratamento se pode utilizar corticóides:
• administração oral: 10 a 60 mg/dia durante uma semana

• infiltrações epidurais: 20 a 60 mg de parametasona, 2 a 4 infiltrações sobre 7 a 15 dias.

 

EULRY-GUEZAIL-PATTIN-DOURY

(1) realizaram um estudo sobre 563 pacientes que diz:

- o tratamento médico tem bons resultados em 49,73% dos casos

- as infiltrações têm bons resultados em 21,31% dos casos

 

Portanto um total de 71,04% dos casos. Os pacientes que tiveram um fracasso receberam tratamento cirúrgico.

 

TRATAMENTOS CIRÚRGICOS A NUCLEÓLISE

Se utilizam produtos tipo quimopapaína, que não tem seus incovenientes. O produto produz uma separação das moléculas de proteoglicanos e um agrupamento dos polissacarídeos que perdem sua capacidade de retenção hídrica. Provoca uma diminuição do volume e da pressão do disco intervertebral e da hérnia discal, pois ocorre uma diminuição da compressão radicular. A hérnia tem que ser contínua com o disco intervertebral. Se produz a extração mecânica por sucção e fragmentação de uma parte do núcleo. A intervenção se faz mediante monitorização visual de frente e de perfil. Existe várias conta-indicações:

• hérnia excluída

• estenose

• hérnia volumosa

• gravidez

• alergías

 

PRIVAT-CHIROSSEL-LESOIN

(2) realizaram estudo sobre uma população de 200 pacientes que diz:

- 70% de bons resultados

- 30% de fracassos

 

A MICROCIRURGÍA

Esta operaação se faz sob raquianestesia ou anestesia geral com o paciente em laterocúbito e cifose lombar. Se realiza uma abertura lateral sobre uns dois centímetros até o ligamento amarelo. A exploração com microscópio permite a excisão do fragmento (nucleotomía). A verticalidade em cifose se faaz depois de 4 dias. Os resultados de um estudo sobre 100 pacientes que fizeram

 

FEREBEAU-RODRÍGUEZ-SEGHARBIEUX e SAMAHA

(3) (CHU de MONTPELLIER) diz:

- muito bons resultados 31%

- bons resultados (com dor residual) 30,4%

- fracasso 38,6%

Total de 61,4% de bons resultados.

 

CIRURGÍA CLÁSSICA

Consiste, sob anestesia geral, realizar depois de uma incisão
medial lateralizada um afastamento das massas musculares, uma abertura do ligamento amarelo com evidência da raiz comprimda. Se procede uma hemilaminectomia e um raspado do disco.

Existem várias complicações como:

• recidiva

• hérnia discal em outro nível

• alterações ósseas (hipertrofia das facetas articulares, osteofitose)

• fibrose pós-cirúrgica

Um estudo que realizaram

 

HAMOND-REYNAND-MATAR e RHIATY

(4) sobre 3000 pacientes diz:

- bons resultados 83%

- resultados regulares 10%

- maus resultados 7%

Total de 17% de maus resultados.

 

NOTA: apesar dos bons resultados, existe 20% de complicações dos casos operados:

• lombalgia residual 50%

• ciática residual ?%

• fibrose pós-cirúrgica 12%

• infecção 2,8%

• síndrome da cauda equina 0.2%

• recidiva de hérnia discal ao mesmo nível ?%

• hénia radicular durante a operação ?%

• hérnia discal a outro nível por hipomobilidade produzida pela operação ?%

 

RESULTADOS DO TRATAMENTO CONSERVADOR POR OSTEOPATIA

Realizamos um estudo sobre 690 pacientes apresentando lombociática por hérnia discal. Critérios de seleção da amostragem: - hérnia discal medial, interna, foraminal ou externa objetivada por tomografia computadorizada ou ressonância magnética. - sinais clínicos: . dor à flexão ou extensão do tronco . dor em posição sentada . dor à tosse ou espirro . teste de LASEGUE e BRAGARD positivos entre 10º e 100º . abolição ou não dos reflexos rotuliano ou aquileu . hipotonia muscular ou não.

O protocolo de tratamento incluiu: - manipulações diretas: Derefield positivo, Derefield negativo, Thrust do sacro - lumbar roll em lateralidade ou rotação segundo o tipo de hérnia discal - lift off T12-L1 - protocolo categoría 3 de DEJARNETTE - flexão-distração - spray-stretch: espinhais lombares, quadrado lombar, psoas, piramidal - conselhos de higiêne de vida - repouso em uma primeira etapa e exercícios em uma segunda etapa

Se classificaram os resultados de maneira seguinte:

* MUITO BONS = alívio duradouro de 100%

* BONS = alívio duradouro de 90%

* MÉDIOS = alívio duradouro de, no mínimo, 70%

* MEDIOCRES = alívio de 50%

* MAUS = alívio inferior a 50%

 

Foi considerado como bom resultado, os resultados [muito bons] + [bons] + [médios]. Resultados globais do tratamento osteopático sobre uma população de 720 pacientes:

- bons resultados: 91,32%

- maus resultados: 8,68%

 

Número de sessões necessárias para aliviar o paciente em média 100% (população de 420 pacientes):

• 2 tratamentos 7,15 pacientes

• 3 tratamentos 9,52%

• 4 tratamentos 11,90%

• 5 tratamentos 28,58%

• 6-7 tratamentos 42,85%

 

Porcentagem de alívio em 3 sessões sobre uma população de 420 pacientes:

• menos de 50% 14,28%

• 50% de alívio 4,75%

• 70% de alívio 64,28% • 80% de alívio 2,38%

• 90% de alívio 7,15%

• 100% de alívio 7,15%

 

NOTA: contra-indicações ao tratamento osteopático e indicações à cirurgia: - hérnia discal excluída - teste de LASEGUE inferior a 10º - teste de MONTERO negativo (rotura do ligamento comum vertebral posterior) - transtorno dos esfíncteres - ciática paralizante - síndrome da cauda equina - ciátca durante mais de 6 meses apesar de um tratamento médico e osteopático bem feitos.

 

RESULTADOS COMPARATIVOS DOS DISTINTOS TRATAMENTOS PARA HÉRNIAS DISCAIS LOMBARES

Os resultados do tratamento osteopático parecem superiores aos resultados dos tratamentos médico e cirúrgicos. Nos parece então que o tratamento de eleição das hérnias discais lombares é o tratamento conservador por várias razões:

1º O tratamento osteopático não tem as complicaações da cirurgia e tem melhores resultados.

2º O tratamento cirúrgico representa uma agressão importante para o organismo. As complicações podem ser graves a curto ou a longo prazo (dor residual, recidiva, instalação de uma artrose lombar com suas repercussões, fibrose pós-cirúrgica, inestabilidade vertebral): não é sempre o tratamento eleito para a hérnia discal.

3º O tratamento osteopático das complicações é menos eficaz (50% de bons resultados) depois da cirurgia.

4º Em caso de fraacasso do tratamento, sempre se pode recorrer ao tratamento cirúrgico.
 

BIBLIOGRAFIA
1. EULRY F. - GHEZAIL M. - PATTIN S. - DOURY P. (CHU BEGIN). Traitement Medical de la Sciatique D'origine Discale - MASSON 1991
2. PRIVAT J. M. - CHIROSSEL J. P. - LESOIN E. Nucléotomie Percutanée Automatisée: Indications et Resultats - MASSON 1991
3. FREREBEAU Ph. - SEGNARBIEUX F. - RODRIGUEZ M. A. - SAMAHA E. Microchirurgie de la Hernie Discale Lombaire: Avantages et Avantars - MASSON 1991
4. PRIVAT J. M. Eches de la Chirurgie de Hernies Discales: Complications des Reprises Operatoires - MASSON 1991
Osteopatia e Hérnia Discal - 3
Osteopatia - Artigos
Osteoclin - Revista Eletrônica sobre Terapia Manual - Jan/2000pgosteo9.htmpgosteo9.htm..INTRO.htm..INTRO.htm
História

 

Leia Também

 

O que é hérnia de disco?

Devo fazer cirurgia para hérnia de disco?

Tratamento da coluna

Patologias da coluna

 

Nosso Osteopata

 

Dr. Felipe Mascarenhas C.O.

 

 


   
 NEWSLETTER
 REDES SOCIAIS

Coluna sem Dor® - Produzido por Dinamicsite